• bannerSitePSDM3jan2020.jpg
Notícias
  Segunda, 20 Julho 2020

“É lamentável que o Município do Funchal continue a ser liderado por alguém que se recusa a discutir, que abandona reuniões legitimamente convocadas e que, de forma prepotente, mantém-se irredutível perante necessidades gritantes como aquelas que os nossos comerciantes atravessam, neste momento”, sublinham Deputados Municipais do PSD

Os Deputados Municipais eleitos à Assembleia Municipal do Funchal repudiam a atitude prepotente e irresponsável mais uma vez demonstrada, esta tarde, pelo Presidente do Executivo e sua equipa, ao abandonarem os trabalhos da Assembleia Municipal e ao relegarem, para setembro, a discussão e aprovação da isenção do pagamento das rendas dos espaços comerciais concessionados pelo Município, proposta subscrita pelo PSD.

Matéria que, aliás, tem sido acompanhada pelos Social-democratas, que não só viram chumbada a proposta de isenção destas rendas apresentada ao Executivo, em junho, como viram, também, na semana passada, ser negada a discussão de nove propostas tendentes a apoiar os comerciantes da cidade, perante a grave situação que a larga maioria destes atravessa neste momento.

“É inadmissível que, mais uma vez, o Presidente da Câmara Municipal do Funchal vire as costas aos seus munícipes quando estes mais precisam e não é aceitável que a discussão desta isenção seja adiada para setembro, quando muitos comerciantes não têm capacidade para aguentar os seus negócios até essa altura, nesta indefinição”, acusam os Deputados Municipais do PSD, que lamentam a insensibilidade e a falta de bom senso com que o Executivo Socialista tem gerido este dossiê, “preocupando-se mais com detalhes administrativos do que propriamente em resolver um problema que é grave e que está a afetar centenas de famílias do concelho”. Aliás, esta discussão, a ser feita, “tem de ser agora e é prioritária, porque há risco de falência de empresas e consequentes despedimentos”, reforçam.

Efetivamente, vincam, “ao contrário do que o Presidente do Executivo afirma, o PSD não quer mandar na autarquia através da Assembleia Municipal. O que o PSD quer e procura, todos os dias, é fazer chegar os problemas reais da população que a sua propaganda não resolve e fazer aprovar, democraticamente, medidas que beneficiem a população, numa altura em que todas as ajudas são necessárias e bem-vindas à recuperação económica e social do Funchal”.

Deputados que vão mais longe ao afirmar “que o PS, o Partido que há mais de quarenta anos se queixa e vitimiza do alegado défice democrático existente na Região, é o primeiro a dar, diariamente, provas de não lidar bem com a democracia, abandonando as Assembleias Municipais e negando-se a ouvir e/ou validar opiniões que não sejam as suas”. Com isso “é a população do Funchal que fica a perder”, lamentam.