• bannerSitePSDM3jan2020.jpg

O deputado Gulberto Fernandes lamentou, hoje, o encerramento do balcão da Caixa Geral de Depósitos na Ponta do Sol, e o conformismo da presidente da Câmara relativamente a esta situação.

Numa intervenção realizada no período antes da ordem do dia, na Assembleia Legislativa da Madeira, o deputado salientou que, interrogada pelos media, Célia Pessegueiro afirmou que a "autarquia compreende os constrangimentos que poderão causar aos pontassolenses, mas é uma situação decidida". 

Com isto, sublinhou Gualberto Fernandes, a autarca vem dizer que não há nada que o município possa fazer. "A Senhora presidente da Câmara não toma uma atitude perante este assunto", questionou, referindo que aceita tudo isto "como um facto consumado".

O deputado lembrou que o banco é público e está na alçada do Governo Central, Socialista. Aconselha, por isso, a edil a pegar no telefone e ligar ao Primeiro-ministro para solicitar que interceda junto da Caixa no sentido de resolver este problema.

Gualberto Fernandes ressalvou que a população foi apanhada de surpresa e a presidente "não mexeu uma palha", ao contrário do que o fez relativamente à retirada de uma caixa ATM na freguesia da Ilha.  "A Sra. Presidente foi eleita pela população da Ponta do Sol e devia ter cuidado com a sua conduta e defender aqueles que a elegeram".

O deputado afirmou que é já o terceiro banco a sair da Ponta do Sol, não restanto nenhuma, e, neste caso, a CGD tem obrigações de serviço público, pelo que não pode ter "objetivo de banco privado".

Também o líder parlamentar do PSD, Jaime Filipe Ramos, salientou que em causa está "quem defende a Ponta do Sol" porque "podemos estar todos de acordo que a Caixa abusa da sua posição dominante enquanto banco público, mas há uma coisa que nós não podemos concordar, é que quem defende a Ponta do Sol não é a Câmara", porque se resignou. Talvez, referiu, porque "teve medo de levantar a voz ou porque alguém deu ordens para não dizer nada", preferindo "ser mais amiga do PS do que dos pontassolenses" e dos munícipes que a elegeram para esse cargo.